Projeto do músico Diego Dias, da banda Vera Loca, faz releitura instrumental de clássicos dos fab four no Sgt Peppers em duas datas.

24931598
Show registrado no Cavern Club, em Liverpool, vai sair em DVD em breve. Foto: Tutu Fagundes / Divulgação

Quando Diego Dias nasceu, seu pai tinha um sonho: que o filho se tornasse gaiteiro dos Serranos. Acordeonista amador em Tupanciretã, Alciomar Dias queria ver o menino viajando pelo sul do Brasil embalado pelo instrumento. O jovem cresceu, trocou o regionalismo pelo rock, mas parte do sonho do pai foi realizado: é o ronco da cordeona que impulsiona Diego a viajar cada vez mais longe.

Conhecido na cena roqueira local como tecladista da banda Vera Loca, o músico lançou há cinco anos o projeto The Beatles no Acordeon, em que interpreta temas conhecidos dos fab four. O show ampliou sua visibilidade depois de fazer parte da programação da International Beatle Week Festival, em Liverpool, na Inglaterra, a convite de Julia Baird, irmã de John Lennon. O projeto está prestes a ser lembrado em DVD, e agora Diego quer conquistar o Brasil.

Antes de partir em turnê por Santa Catarina e Paraná, The Beatles no Acordeon poderá ser visto em duas datas: nesta quinta-feira (10/1) e dia 24 de janeiro, às 21h, no Sgt Peppers (Rua Quintino Bocaiúva, 256), com ingressos a R$ 30. Serão os primeiros shows na Capital depois do maior conquista do projeto até agora, a excursão britânica em agosto do ano passado.

A Beatle Week reúne todos os anos em Liverpool dezenas de bandas e milhares de fãs dos Beatles. Em 2018, foram 70 grupos, vindo de 40 países. O evento é organizado por Julia Baird para o Cavern Club, bar conhecido como marco inicial do famoso quarteto. Ali, os convidados têm oportunidade de tocar no mesmo palco em que seus ídolos fizeram história.

– Foram 11 shows em sete dias. A gente foi criando um público. As pessoas achavam inusitada nossa formação. É claro que o acordeom é um instrumento muito conhecido na Europa, mas aqui no Estado tem um sotaque diferente. Além disso, a banda que me acompanha tem uma pegada roqueira – conta Diego.

O músico é acompanhado por Diogo Farina (violão), Cassiano Farina (baixo) e Robledo Rock (bateria). Como o acordeom tem uma ampla gama de recursos sonoros, como diferentes timbres e sustentação de notas, o grupo consegue executar de maneira expressiva clássicos dos Beatles com arranjos mais complexos e delicados, elemento que cativou os britânicos.

– A maior parte dos grupos era inspirada na primeira fase dos Beatles, então era muito comum ouvir She Loves You ou I Want to Hold Your Hand, por exemplo, mas quase ninguém tocava Hey Jude ou Let it Be, pois fica difícil reproduzir canções assim em um formato de guitarra, baixo e bateria. Acho que isso ajudou a fazer as pessoas voltarem muitas vezes ao nosso show – avalia Diego.

No final da Beatle Week, o grupo estava tão à vontade que resolveu registrar a performance para um DVD, que deve ser lançado nos próximos meses, e até ousou quebrar o protocolo: em homenagem ao folclorista Paixão Côrtes, que morreu no dia de uma das apresentações, Diego tocou no mítico palco o clássico regionalista Milonga para as Missões.

– Foi um dos pontos altos. O público adorou – lembra Diego.

Depois de conquistar os britânicos, o gaiteiro tem um objetivo claro: cativar as plateias do Brasil. O show tem uma boa circulação pelo Rio Grande do Sul mas só saiu uma vez do Estado, para visitar Joinville. Em março, o plano é voltar a Santa Catarina e também fazer apresentações em Curitiba.

– Lotamos o show em Joinville e voltaremos agora. Isso demonstra que o show é universal e tem potencial para conquistar outros Estados – diz Diego.

The Beatles no Acordeon também surpreende por conquistar o público tocando apenas temas instrumentais. Não é raro, no entanto, que a plateia cante junto as melodias do repertório, montado para abranger todas as fases do quarteto britânico. Além disso, há canções das carreiras solo de John Lennon (Imagine) e Paul McCartney (Live and Let Die).

Não deixa de ser inusitado que elementos como o rock e o acordeom estejam unidos no palco, já que os Beatles são considerados grandes responsáveis pela perda da popularidade do instrumento no mundo – depois que a banda se tornou mania, muitos jovens deixaram o acordeom de lado para aderir ao violão ou à guitarra.

– A gaita é um símbolo da cultura gaúcha, e as melodias do Beatles são conhecidas por todos. Ou seja, juntei duas coisas que são praticamente unanimidades – conclui Diego.

Fonte: Jornal Zero Hora (Grupo RBS | GLOBO)

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s